Abri as portas para Cristo

05 Jun 2017

"Ó portas, levantai vossos frontões! Elevai-vos bem mais alto, antigas portas, a fim de que o Rei da glória possa entrar! Elevai-vos bem mais alto, antigas portas, a fim de que o Rei da glória possa entrar! Dizei-nos: Quem é este Rei da glória? O Rei da glória é o Senhor onipotente, o Rei da glória é o Senhor Deus do universo” (Sl 23, 7-10).

Quem é este Rei da glória, este Senhor Deus do Universo para o qual está se pedindo que as portas se abram, segundo o salmo 23? É claro que este salmo 23 se refere em última instância a Nosso Senhor Jesus Cristo. Ele é o Rei da Glória, ele é o Senhor Deus do universo.

No mês de junho, temos a tradição de honrar o Sagrado Coração de Jesus. Essa devoção significa que honramos Jesus como nosso Senhor e Salvador, pois é a pessoa de Jesus que contemplamos e adoramos e é a ele que desejamos servir.

As portas que devem se abrir são as portas de nosso coração, as portas de nossas casas, as portas de nossas empresas, as portas de nossas lojas, as portas de nossas escolas, as portas de nossos hospitais, consultórios, supermercados, bem como as portas dos poderes públicos. Sim, Jesus quer entrar em todas as residências, em todos os corações, em todos os lugares onde as pessoas se encontram. Jesus quer entrar, para transformar os corações, transformando os ambientes e a vida de todas as pessoas. Jesus é “o caminho, a verdade e a vida” (Jo 14, 6).

Afinal, ele é o Senhor a quem buscamos quando vamos à missa, ele é o Senhor a quem encontramos em nossos grupos de vivência e quando nos reunimos para fazer o bem ao próximo, é ele que nós encontramos quando vamos ao encontro dos pobres, dos enfermos, dos idosos, dos que vivem na solidão, dos que estão abandonados, dos que sofrem nas prisões, dos que estão sem esperança de cura, enfim de todos os que sofrem.

Onde quer que encontre uma porta aberta, Jesus entra, e sua amável presença ilumina tudo, até mesmo as profundezas da alma. Onde Jesus entra, tudo se transforma, tudo recobra sentido. E nos deixamos conduzir pela bondade, justiça e verdade.

Portanto, abramos as portas para Cristo. Preparemos o caminho para Ele passar. Ele é o anjo da aliança que desejamos. Ele vem como um fogo para nos purificar, assim como se purifica o ouro e a prata. Não lhe façamos resistência. Não tenhamos medo dele. Ele é nossa paz e alegria, uma alegria inefável e gloriosa que nos favorece a perseverança no fazer o bem.

Jesus não veio para se ocupar com os anjos, mas para se ocupar conosco, com cada um de nós. Ele se assemelhou a nós em tudo, menos no pecado, a fim de nos resgatar, tirando-nos das garras da morte e da escravidão, e nos transportar em seus ombros de Bom Pastor ao Reino dos filhos e filhas de Deus, muito amados. Jesus se alegra com nosso testemunho e nossa humilde presença na família, na comunidade e na sociedade. Somos seus discípulos missionários.

Como Jesus, que veio para servir e não para ser servido (Cf. Mc 10,45), abramos também nós as portas de nosso pobre coração, para acolher a todos aqueles que vamos encontrando e alcançando pelo caminho, especialmente os mais pequeninos e desvalidos, para que também eles tenham a graça de um encontro salvífico com o Senhor Jesus Cristo, que é manso e humilde de coração. Que todas as pessoas possam encontrar em nós acolhida e bondade, pois somos sacramentos de Jesus. Fomos por ele enviados com a missão de acolher, incluir, acompanhar e salvar.

Com nossas humildes preces e cânticos, à semelhança da Mãe de Jesus, vamos abrir nossos corações para recebermos o nosso bondoso Senhor Jesus Cristo e com ele permaneçamos para sempre, pois “sem ele nada poderemos fazer” (Cf. Jo 15, 5).

Apucarana, 01 de junho de 2017

+Celso A. Marchiori

#dioceseonline