Palavra do Bispo

PADRE: ESCOLHIDO POR DEUS PARA CONDUZIR O POVO À SALVAÇÃO

04 08 2022

“Eis que coloco minhas palavras nos teus lábios” (Jer 1,9)
A contemporaneidade faz-nos ver novidades a cada instante, inovações diversas e, por vezes, infelizmente, faz-nos esquecer do que é imutável, desde sempre e para sempre: o propósito de Deus para cada um e para todos. A vocação pessoal parece-nos algo de difícil discernimento em meio as mais variadas propostas atuais. Todos têm uma vocação específica, isso é intrínseco ao ser humano que, ao descobri-la, é chamado a desenvolvê-la da melhor e mais honesta maneira possível. Neste mês de agosto, a Igreja no Brasil, celebra o Mês dedicado às vocações. Todo batizado é chamado ao serviço, à missão evangelizadora atuante e concisa, onde quer que esteja e em todo tempo. Toda vocação cristã é preciosa aos olhos do Pai que se alegra com os frutos imediatos ou futuros das sementes lançadas nos corações. No primeiro domingo de agosto, temos a celebração do Dia do Padre. Instituído pelo próprio Cristo, a partir dos primeiros apóstolos, a quem Jesus pediu que tudo fizessem em Memória Dele, o sacerdócio é uma forma de vida consagrada totalmente a Cristo e à sua Igreja. Todo sacerdote é tirado do meio do povo para servir a esse mesmo povo com seu ministério consagrado, unido totalmente a Doutrina Católica, respeitando e cumprindo o Magistério designado pela hierarquia. Nenhum padre é apenas padre, pois torna-se, a partir de seus votos e promessas, o pai de uma comunidade, o responsável pela missão e evangelização de um povo a ele confiado e que a ele se confia. “Vê-lo-ão aqueles aos quais não tinha sido anunciado; conhecê-lo-ão aqueles que dele ainda não tinham ouvido falar” (Rm 15,21, conf. Is 52,15). O padre recebe o Sacramento da Ordem, que lhe confere o exercício do ministério apostólico pelo qual a presença de Cristo como chefe da Igreja se torna visível no meio da comunidade dos fiéis. Em virtude desse sacramento, o padre age ‘in persona Christi Capitis’ (na pessoa de Cristo Cabeça). A ação sacerdotal não consiste apenas em representar Cristo diante dos fiéis; cabe ao sacerdote agir em nome de toda Igreja, cuja cabeça é Cristo Senhor. O padre vive no mundo, mas pertence à Cristo, sua vivência deve encaminhar o povo à santidade de vida e à salvação eterna. Não são seus conceitos pessoais que prevalecem e sim, os ensinamentos do próprio Jesus que o chamou e escolheu para essa missão. Essa pertença a Cristo, o Sumo e Eterno Sacerdote, não faz do padre um homem infalível, um ser imune aos pecados e erros. Tão humano quanto qualquer outra pessoa e muito incompreendido pela maioria dos fiéis, muito é cobrado do padre, porém, pouco lhe é dado. Dele espera-se tudo e mais um pouco: doação contínua, ouvidos atentos, soluções imediatas para os problemas pessoais, homilias perfeitas que falem o que queremos ouvir e onde não haja nenhuma retaliação, apenas total aceitação das tantas vontades humanas e mundanas. Exige-se perfeição no comportamento do padre, em suas atitudes e palavras e não se perdoam suas falhas. Muitos dedos apontados para a vida sacerdotal, porém, nada ou quase nenhuma oração ou apoio. O que oferecemos ao padre como reconhecimento de sua dedicação? Ah, mas ele disse sim, então, tem obrigações a cumprir, se tivesse dúvidas, não se formasse, isso pensam alguns cristãos. Que triste percebermos que a figura tão importante de outrora, uma verdadeira autoridade eclesial, que era respeitado, querido e amado pelo povo, hoje tornou-se, aos olhos da maioria, apenas mais um profissional da fé, que nem tem tanto crédito assim. Lembremos sempre: não há Eucaristia sem o sacerdote, não há perdão dos pecados se não o pedirmos através do padre, pois sua autoridade provém de Cristo. Este fez do Padre seu ministro e modelo de amor, perdão e servo. Rezar pelos sacerdotes é essencial para que sejam fortalecidos na caminhada. Estar presente e ajudar a suprir suas necessidades pessoais e espirituais é reconhecer neles a presença de Cristo Salvador. O povo confiado ao padre é a família dele, onde ele exerce sua missão evangelizadora, ensina, aprende e descansa de suas tribulações. O sacerdote é o amor do Coração Misericordioso de Jesus, é um presente de valor inestimável dado a nós pelo próprio Cristo e tem, no Coração Imaculado da Virgem Maria um lugar de predileção, pois a Mãe do Sumo Sacerdote os têm como filhos amados e honrados.
+Dom Carlos José
Bispo da Diocese de Apucarana - Paraná