O ANO DA PAZ E A CAMPANHA DA FRATERNIDADE DE 2015

04 Mar 2015

Todos os anos, no tempo quaresmal, somos motivados pela Igreja no Brasil a viver um tema da campanha da fraternidade. Neste ano o tema é: “Fraternidade: Igreja e Sociedade” com o lema “Eu vim para servir” (cf. Mc 10, 45). Mas neste ano a campanha da fraternidade está iluminada pela luz do Ano da Paz.

Em sua mensagem para a celebração do Dia Mundial da Paz, em primeiro de janeiro, o Papa Francisco nos convocou para nos unirmos em oração “a fim de que cessem as guerras, os conflitos e os inúmeros sofrimentos provocados quer pela mão do homem quer por velhas e novas epidemias e pelos efeitos devastadores das calamidades naturais”, como também “para que, respondendo à nossa vocação comum de colaborar com Deus e com todas as pessoas de boa vontade para a promoção da concórdia e da paz no mundo, saibamos resistir à tentação de nos comportarmos de forma não digna da nossa humanidade”.

Está aí um enorme compromisso para todos os cristãos: colocar-se a serviço da sociedade para que todas as pessoas, em suas relações interpessoais, inspiradas pela justiça e caridade, sejam promotoras da paz, onde todos, iluminados pela Palavra de Deus e vivendo como irmãos, vivam com dignidade, liberdade e autonomia.

Como um sinal luminoso de Cristo, que permanece entre nós até o fim, a Igreja, sempre atuante na história, misericordiosa, participativa e consoladora, é convidada a sair ao encontro das pessoas que formam a sociedade para favorecê-las numa experiência de encontro com Cristo que os leve a conscientizar-se de sua dignidade de filhos e filhas de Deus. E assim, que todos possamtrabalhar juntos para que as estruturas, leis e organização da sociedade estejam a serviço do bem para todos.

Justamente, não podemos nos acomodarcom nossos templos lotados nas missas dominicais, sabendo que somos a minoria, pois muito maior é o grupo dos que são batizados, mas que não participam de nossas assembleias litúrgicas. Sim,não somos uma Igreja que espera as pessoas, mas Igreja de esperança, formada por discípulos missionários de Cristo,  que vai ao encontro dos filhos e filhas e, ainda mais, com uma atenção redobrada para com aqueles e aquelas que são os excluídos da sociedade. Como Jesus, estamos no meio do povo para servir e não para sermos servidos. Como Jesus, nossa missão é salvar e não condenar. Como Jesus, fomos enviados para libertar e não para escravizar.

Está aí um grande desafio. A Igreja na sociedade como luz e fermento na massa para transformar a realidade, imersa em violência, exploração e morte, num reino de vida onde todos têm condições favoráveis de experimentar a paz, a alegria e a liberdade. Sim,  esse é o serviço da Igreja na sociedade: ser sinal do Reino de Deus que Jesus inaugurou com sua encarnação, vida, testemunho, propostas, paixão, morte e ressurreição.

A Mãe de Jesus nos acompanhe para que sejamos uma Igreja convertida e testemunha viva de fraternidade, de liberdade, de justiça e de paz para toda a sociedade.

Deus vos abençoe e vos guarde! Deus vos mostre sua face e vos conceda sua graça! Deus vos mostre seu rosto e vos conceda sua paz!

+Dom Celso A. Marchiori

Bispo de Apucarana