Festa de Nossa Senhora de Lourdes

17 Fev 2011

APUCARANA, 11 DE FEVEREIRO DE 2011

“Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre. Donde me vem esta honra de vir a mim a mãe de meu Senhor?” Lc 1, 42-43

Amados irmãos e irmãs, alegremo-nos com esta festa de Nossa Senhora de Lourdes, Padroeira de nossa Diocese de Apucarana. Com Isabel, digamos nós também: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre. Donde me vem esta honra de vir a mim a mãe de meu Senhor?” Lc 1, 42-43. 

Sim, fazemos também nós a experiência de Isabel. Sentimo-nos profundamente felizes por termos como nossa protetora a Mãe de Jesus, a Mãe de Nosso Senhor Jesus Cristo, o nosso Salvador. Por meio dela Deus nos concedeu a paz como um rio que é Jesus. Por meio dela nosso coração, como uma torrente a transbordar, enche-se de graça e de alegria, pois Cristo, a Palavra eterna do Pai, nela se encarnou, se fez gente como nós, e veio viver como nós para nos resgatar e nos fazer sentir filhos de Deus. E como a filhos muito amados, Deus nos enviou o Espírito de seu Filho que clama em nós: Abbá! Pai! Papaizinho! Sim, é por causa do grande amor de Maria e de sua aceitação da proposta que Deus lhe fez que nós temos acesso a esta graça. Portanto, celebremos com júbilo esta festa e dando graças a Deus Pai por ter escolhido Maria para ser a Mãe dom nosso Senhor e Salvador Jesus.

Nossa devoção mariana tem por objetivo inflamar nosso coração de um amor sem medida a Cristo Jesus, Nosso Senhor. Com Maria queremos contemplar o rosto de Cristo, e ela tem condições, como cheia de graça, como bendita entre todas as mulheres, de nos ajudar a fazer esta contemplação.

Em Maria, inteiramente mergulhada no mistério da Trindade, temos condições, na qualidade de discípulos de seu Filho Jesus, de aprender algo maravilhoso: sermos, à sua semelhança, verdadeiros contemplativos no amor. Num mundo secularizado, onde não há espaço para vivermos nossa fé e nosso amor a Deus, ao nosso lado temos Maria que não nos deixa abandonados. Nela e ao lado dela recobramos forças para continuar nosso caminho no seguimento de Jesus. Ninguém melhor do que Maria para nos ajudar a sermos eternos enamorados de seu Filho Jesus. Vivendo como apaixonados por Cristo, também podemos nos sentir verdadeiros filhos de Maria.

Graças ao sim de Maria, temos tudo o que nos faz realmente felizes, benditos, bem-aventurados. Temos Cristo, sua Igreja, da qual todos participamos desde quando fomos batizados, temos os sacramentos, particularmente a Eucaristia, temos condições de viver numa família, temos a graça de vivermos em comunidade, de praticar a caridade fraterna, temos condições de sermos solidários com os que sofrem, temos a graça de sermos enviados em missão.

Como mulher de Deus, mulher forte, cheia de graça e do Espírito Santo, ela está bem perto de nós para nos proteger e nos incentivar no caminho da santidade. Estejamos seguros de que próximos de Maria estamos bem próximos de Cristo. E na medida em que cresce nosso amor a Jesus, se este amor é verdadeiro, cresce também nosso amor a Maria. Como é saudável o sermos devotos de Nossa Senhora! Cultivar devoção mariana é, sem dúvidas, uma graça de Deus. Quem tem amor a Mãe de Jesus ama também a Igreja. E não podemos amar de verdade a Igreja se não amamos a Mãe de Jesus.

Aproveito neste dia da festa de nossa Padroeira para fazer um apelo a todos os irmãos e irmãs que se encontram nesta celebração. Cultivem um profundo amor filial à Virgem Maria, especialmente através da oração do Santo Rosário que, semelhantemente a uma coroa de rosas, vocês estarão sempre a oferecer a Maria. Peçam a ela por sua família, pelas crianças, pelos jovens, pelos enfermos e idosos, pelos pobres e pecadores, pela santificação dos padres, para que tenhamos abundantes vocações sacerdotais e religiosas, pelo Papa, pelos Bispos e por toda a Igreja. Como verdadeiros devotos de Maria, amem a Igreja e se comprometam mais radicalmente com ela, seja católicos alegres, corajosos, fiéis testemunhas de sua fé católica. Onde trabalham e vivem sejam sinais da esperança. E façamos de nossa Diocese de Apucarana um lugar privilegiado para o encontro com Cristo e com os irmãos.

Pedimos a Nossa Senhora que volte o seu olhar materno sobre cada doente e sobre a família, a fim de ajudá-los a carregar com Cristo o peso da cruz. Confiemos a ela, Mãe da humanidade, os pobres, os sofredores, os doentes do mundo inteiro, com um pensamento especial para as crianças que sofrem. Com estes sentimentos encorajo-vos a confiar sempre no Senhor e de coração vos abençôo a todos.

+Celson Antônio Marchiori
      Bispo de Apucarana