A alegria do amor que se vive na família

28 Abr 2016

Apucarana, 01 de maio de 2016

Para nossa alegria, para a alegria de todas as famílias, o Papa Francisco inaugura mais uma estupenda de suas obras, desta vez dedicada à família. Como fruto do Sínodo dos Bispos, a exortação apostólica sobre a Família, publicada em oito de abril, é uma resposta conclusiva aos problemas que afetam as famílias nos tempos atuais. Traz reflexões sobre família à luz da Palavra de Deus e orientações pastorais para a formação de famílias sólidas, sob a perspectiva divina.

O Santo Padre fala do amor no matrimônio e traz uma novidade: “ao fazer um aprofundamento psicológico que chega ao mundo das emoções do casal, ele inclui a dimensão erótica do amor, uma contribuição rica que até então não tinha paralelo em outros documentos papais”.

Os temas tratados são complexos e revelam a necessidade de aprofundamento em algumas questões doutrinais, morais, espirituais e pastorais.

Que o Espírito Santo nos conduza à verdade completa (cf. Jo 16, 13), isto é, quando nos introduzir perfeitamente no mistério de Cristo e pudermos ver tudo com o seu olhar. É muito importante uma leitura atenta e paciente deste precioso documento.

No contexto deste Ano Jubilar da Misericórdia, esta Exortação Apostólica é uma proposta eficaz para as famílias cristãs, pois as estimula a apreciar os dons do matrimônio e da família e a manter um amor forte e cheio de valores como a generosidade, o compromisso, a fidelidade e a paciência; em segundo lugar, porque se propõe encorajar todos a serem sinais de misericórdia e proximidade para a vida familiar, especialmente, onde esta não se realize perfeitamente ou não se desenvolva em paz e alegria.

Em síntese, depois de uma abertura inspirada na Sagrada Escritura, que lhe dá o tom adequado, Francisco considerara a situação atual das famílias, para manter os pés assentes na terra. Depois lembra alguns elementos essenciais da doutrina da Igreja sobre o matrimônio e a família, seguindo-se os dois capítulos centrais, dedicados ao amor. Em seguida destaca alguns caminhos pastorais que nos levarão a construir famílias sólidas e fecundas segundo o plano de Deus, e dedica um capítulo à educação dos filhos. Depois se detém sobre um convite à misericórdia e ao discernimento pastoral perante situações que não correspondem plenamente ao que o Senhor nos propõe; e, finalmente, traça breves linhas de espiritualidade familiar.

Francisco espera que cada um, através da leitura atenta e paciente, se sinta chamado a cuidar com amor da vida das famílias, porque elas não são um problema, mas sim, uma oportunidade.

A família é chamada a compartilhar a oração diária, a leitura da Palavra de Deus e a comunhão eucarística, para fazer crescer o amor e tornar-se cada vez mais um templo onde habita o Espírito.

Como Maria, a famílias vivam com coragem e serenidade, os desafios tristes e entusiasmantes, guardem e meditem no coração as maravilhas de Deus (cf. Lc 2, 19.51). No tesouro do coração de Maria, estão também todos os acontecimentos de cada uma das nossas famílias, que Ela guarda solicitamente. Por isso pode nos ajudar a interpretá-los de modo a reconhecer a mensagem de Deus na história familiar.  

Parabéns a todas as nossas mães e que Deus as abençoe e guarde misericordiosamente nossas famílias na paz e na alegria!

+Celso Antônio Marchiori – Bispo de Apucarana